Pesquisar este blog

Carregando...

sábado, 17 de setembro de 2011

Apostila I -7º ANO EJA (atualizada)

Apostila II – Disciplina: ARTES  – 7º ano EJA
Explicando a arte brasileira

Introdução
    No período da colonização, o Brasil ainda revelava a tentativa de transposição de modos de viver, valores, formas de expressão de Portugal. Para cá vieram, inicialmente, degradados, aventureiros, mercenários, cristãos novos, comerciantes ambiciosos, jovens nobres, exploradores... Esses colonizadores, embora tivessem interesse em ocupar a terra, estavam empenhados em garantir a hegemonia política de Lisboa, subjugando os nativos. Mas, para que fossem dóceis à dominação do branco, era preciso desenvolver certa tolerância em relação aos costumes dos indígenas. O colonizador, então, fechou os olhos e permitiu que muitos traços culturais primitivos perdurassem.
    Como a mão –de- obra nativa não era suficiente para a exploração, foi necessário escravizar os negros africanos.
    Abriu-se outra concessão às divindades pagãs, aos seus ritos e aos seus instrumentos de louvação, como tambores atabaques, misturaram-se aos esforços dos jesuítas, que promoviam festas religiosas, espetáculos musicas em busca da conversão dos índios, criando uma primeira base que viria a abalar os princípios estéticos europeus.

A arte antes de Cabral chegar ao Brasil
1- Arte rupestre ou pinturas nas paredes das cavernas
      As pinturas rupestres no Brasil datam entre 40 mil e 12 mil anos a.Cas mais antigas foram encontradas na região de São Raimundo Nonato, no Piauí.

      Também em Minas Gerais há arte rupestre. Na região de Lagoa Santa encontra-se cenas de caça com uso de flechas, armadilhas aprisionando veados, e grandes redes com peixes, retratando movimento.



São Raimundo Nonato- Pernambuco
 
Pintura rupestre - Pernambuco

petroglifos de Florianópolis

petroglifos Ilha-aranha em Florianópolis

2- Arte tapajó, marajoara e indígena.
       Pouca coisa restou da cultura dos índios tapajós, grande nação que habitava a região de Santarém. Apenas os muiraquitãs, pequenas esculturas de rãs em pedra.

Muiraquitã
 Em seu apogeu, a ilha de Marajó pode ter tido mais 100 mil habitantes. Entre eles havia diversos artistas, que fabricavam objetos cerâmicos ricamente decorados e com alto grau de sofisticação e complexidade social e política. Foram encontradas grandes urnas funerárias, chamadas de Igaçabas.
      A tendência indígena de fazer objetos bonitos para usar na vida tribal pode ser apreciada principalmente na cerâmica, no trançado e na tecelagem.

Ritual Karajás

Tanga feminina ritualística Marajoara


vaso Waura

A arte plumária indígena é uma arte especial porque não está associada a nenhum fim utilitário, mas apenas à pura busca da beleza

Diadema

Cocar
As máscaras para os índios, têm um caráter duplo: ao mesmo tempo que são um artefato produzido por um homem comum, são a figura viva do ser sobrenatural que representam.
     As pinturas corporais marcam suas identidades, tem uma função hierárquica e do “status”, as cores mais usadas pelos índios para pintar seus corpos são o vermelho muito vivo do urucum, o negro esverdeado da tintura do suco do jenipapo e o branco da tabatinga







Grafismo Indigena Asurini- Xingu

                              
                              
Arte européia no Brasil
     Quando os portugueses começaram a habitar o Brasil por volta de 1534, a arte na Europa estava em transição e, em busca da emoção, começavam a abandonar o estilo renascentista pela dramaticidade e exuberância do estilo Barroco.
      A primeira manifestação artística dos portugueses no Brasil foi a arquitetura: os fortes e as construções religiosas.
     Os jesuítas chegaram ao Brasil em 1549 e construíram igrejas monumentais, seminários e escolas de catequese e de artes e ofícios.
      A arte devia servir a Deus e transformar as cerimônias em espetáculos fascinantes e sedutores.
      Na Europa, essa grandiosidade da igreja fazia parte da Contra-reforma e tinha como objetivo combater a influência e a expansão dos protestantes.
      No Brasil o objetivo era outro: favorecer a catequese, atraindo novos fiéis.
      Em 1630 os holandeses ocuparam Pernambuco chefiado por Mauricio de Nassau, junto a ele vieram jovens artistas, um dos mais importantes pintores era Frans Post e Albert Eckhout, representavam em seus quadros paisagens e nativos, vistos sempre solitários em meio a paisagens exuberantes.

Albert Eckhout- Mameluca

Albert Eckhout

O esplendor do estilo Barroco
      Como vimos , quando os portugueses se estabeleceram definitivamente no Brasil por volta de 1600, estava entrando em vigor na Europa um estilo estético que se chamava Barroco, a palavra “barroco” significa” uma perola irregular ou de aspecto estranho”.O estilo Barroco desenvolveu-se plenamente no Brasil durante o século XVII, perdurando ainda no inicio do século XIX.
O barroco brasileiro é associado claramente a religião católica
      Os colonizadores difundiram o Barroco ao levar seus artistas para as novas terras descobertas.
      As imagens religiosas feitas em madeira, pedra sabão e argila eram sempre ornamentadas com finíssimos detalhes em folha de ouro, tinham os olhos de vidro e traziam coroas de prata ou ouro.
     Algumas estátuas tinham um pequeno cofre no corpo que servia para o contrabando de ouro, eram chamadas “santos de pau oco”.
    Os artistas deste período tinham múltiplas habilidades, ao mesmo tempo eram arquitetos, escultores, entalhadores, pintores e atuavam em várias partes de uma construção.
    Os artistas eram “artífices” ou “artesãos” que trabalhavam muito para ganhar a vida.        Contavam com ajuda de auxiliares, muitas vezes mulatos, que trabalhavam por qualquer dinheiro e ajudavam anonimamente a terminar obras que hoje têm um valor incalculável e fazem parte do patrimônio cultural da humanidade.


anjos barrocos

O Barroco na primeira capital do país: Salvador
  A  partir  da segunda metade do século XVII, a arquitetura das cidades mais ricas do Nordeste brasileiro começou a se modificar,ganhando formas mais elegantes e decoração mais requintada. Surgiram então as primeiras igrejas barrocas.
Além da Bahia, Pernambuco e Paraíba se destacavam-se na economia através da exportação de : açúcar, tabaco , algodão e madeira de lei.

Igreja da Ordem Terceira de São Francisco- Salvador

Capela Dourada- Pernambuco

A arte africana
A arte africana é um conjunto de manifestações artísticas produzidas pelos povos da África subsaariana ao longo da história.
Os povos africanos faziam seus objetos de arte utilizando diversos elementos da natureza. Faziam esculturas de marfim, máscaras entalhadas em madeira e ornamentos em ouro e bronze. Os temas retratados nas obras de arte remetem ao cotidiano, a religião e aos aspectos naturais da região. Desta forma, esculpiam e pintavam mitos, animais da floresta, cenas das tradições, personagens do cotidiano etc. 
                                   
                        

Guerreiro Zulu

Chegada ao Brasil 
A arte africana chegou ao Brasil através dos escravos, que foram trazidos para cá pelos portugueses durante os períodos colonial e imperial. Em muitos casos, os elementos artísticos africanos fundiram-se com os indígenas e portugueses, para gerar novos componentes artísticos de uma magnífica arte afro-brasileira.
     
Máscara africana
 
Com o ciclo do ouro o Barroco chega ao Rio de Janeiro.
     A partir do século XVIII, com a extração do ouro em Minas Gerais , O Rio de Janeiro acaba se transformando, por causa do seu porto,no centro entre a região de minas e Portugal. Esse fato determinou o desenvolvimento de tal forma, que a fez torna-se a nova capital do  país em 1763..
O Mosteiro de São Bento,a igreja de N.S. da Glória do Outeiro,a igreja da Ordem Terceira de São Francisco da Penitência são exemplos de construções barrocas no Rio.
Barroco mineiro:  o surgimento de uma arquitetura brasileira.
  Foram os bandeirantes paulistas, desbravadores das terras mineiras , que começaram a explorar o ouro e fundaram os primeiros arraiais da região.
  A evolução da arquitetura mineira não foi rápida. A principio tentou-se utilizar como técnica construtiva a taipa de pilão, mas não deu certo,  por causa do terreno duro e pedregoso, pouco favorável ao fornecimento de pedras argilosas.Depois, paulistas e portugueses tentaram outros processos, até chegarem às construções às construções com muros de pedra..
*** A parede de taipa de pilão é constituída de blocos de barro comprimido dentro de uma forma de madeira denominada taipal.

Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, e o Barroco em Minas Gerais

   Entre os maiores artistas dessa corrente está Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. Nasceu por volta de 1738 em Vila Rica (hoje, Ouro Preto). Além de extraordinário arquiteto e decorador de igrejas, Aleijadinho foi também incomparável escultor. Existem inúmeras esculturas suas nos museus e igrejas, principalmente de Ouro Preto. Mas é a cidade de Congonhas do campo que abriga o mais importante conjunto escultórico desse artista. O Santuário de Bom Jesus do Matosinhos, é constituído por uma igreja em cujo adro estão as esculturas em pedra-sabão de doze profetas: Isaias, Jeremias, Baruque, Ezequiel, Daniel, Oséias, Jonas, Joel, Abdias, Habacuque, Amós e Naum.
      Foi conduzido ao virtuosismo da arte por sua personalidade forte, pois era perseverante e mesmo com dificuldades aprendeu a ler, teve noções de música e latim, estudou arquitetura e desenho com os mestres da época.     Sofreu com uma misteriosa doença que atrofiou os membros, obrigou-o andar de joelhos e, quando perdeu os dedos das mãos, a amarrar os instrumentos nos braços para esculpir a pedra-sabão e a madeira. Morreu cego e pobre, mas isso não o impediu de deixar uma obra magnífica que orgulha o Brasil. Foi o nosso maior artista do período colonial.

Nenhum comentário: